Manifestantes protestam na Paulista contra bloqueio de recursos para a educação anunciado pelo MEC

Publicado em 15/05/2019 às 15:57 por Redação
Manifestantes protestam na Avenida Paulista na tarde desta quarta-feira (15) contra o bloqueio de recursos para a educação anunciado pelo Ministério da Educação (MEC). O ato se concentra em frente ao vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp) e os dois sentidos da via foram interditados por volta das 14h.
Estudantes protestam contra corte de verbas na educação na Avenida Paulista — Foto: Fábio Tito/G1

Estudantes, crianças, idosos e sindicatos relacionados à educação participam do ato. Vários cartazes fazem referência à fala do ministro da Educação, Abraham Weintraub sobre "balbúrdia" em universidades. Uma das faixas diz que a "balbúrdia é contra dinheiro da educação". De forma reservada, auxiliares próximos do presidente Jair Bolsonaro (PSL) avaliam que o discurso mais incisivo de Weintraub acabou dando gás às manifestações desta quarta.
Foto: divulgação Facebook

Alunos da Universidade de São Paulo, que realizaram protesto pela manhã na Cidade Universitária, Zona Oeste da capital, saíram em caminhada até a Avenida Paulista. Cerca de 2 mil estudantes, segundo a organização, vão subir a Avenida Rebouças rumo à Paulista.
Protesto na Avenida Paulista — Foto: Fábio Tito/ G1 SP

A professora de filosofia da USP Tessa Moura Lacerda, 44 anos, diz que está muito feliz com o ato. "Espero que essa resistência nacional mostre a forca da educação nesse país".
Manifestante na Paulista — Foto: Beatriz Magalhães/ G1 SP

A estudante Nathalia Santos, 22 anos, concorda: “Nessa manifestação eu sinto que não estou sozinha. A educação não está perdida”.

“Nessa manifestação me sinto como se estivesse sempre começando. A luta nunca acaba”. Regina Mariano, 77 anos, diz que "Nessa manifestação me sinto como se estivesse sempre começando. A luta nunca acaba”.

Ingrid Bustamante, 25 anos, professora da educação básica levou a filha Olívia, de 14 meses. “Pai dela e eu somos professores e nós percebemos como esta precária a educação. Nós achamos importante ela entender que ela precisa batalhar por isso. A educação o que resta para gente.”

A estudante da Universidade Federal do Paraná Luciana Vargas, 24 anos, levou um cartaz com a fórmula da água escrita em referência à declaração do presidente Jair Bolsonaro (PSL) que disse nesta quarta-feira que os alunos "não sabem nem a fórmula da água".

" Achei a declaração infundada. Ele está acusando falta de pensamento crítico, e ele está cortando verbas da educação justamente onde se produz pensamento crítico".

Mais cedo, estudantes de universidades e colégios públicos e particulares fizeram atos em diferentes pontos da capital. O portão da Cidade Universitária ficou bloqueado entre 6h e 9h e as avenidas Higienópolis e Angélica foram fechadas por estudantes de escolas particulares do bairro.

Entidades ligadas a movimentos estudantis, sociais e a partidos políticos e sindicatos convocaram a população para uma greve de um dia contra as medidas anunciadas pelo governo federal na educação. Alunos e professores em outras cidades do país também aderiram à paralisação.

Fonte: G1
PUBLICIDADE

Decisão judicial impede Novelis de vender terras de Ouro Preto

Morre Coroinha, o cão que ficou famoso em Lafaiete por participar das missas...


PUBLICIDADE
COTAÇÃO HOJE

Artista transforma protesto em obra executada ao vivo

Saiba como investir em bitcoin, moeda mais valorizada no mercado mundial

O TRIBUNA LIVRE

Direção e Proprietária: Marisa Hilário
Editoração gráfica: Tribuna Livre
Direção de mídia: Ina Caram.

Colaboradores do jornal impresso e do site:
Organização interna: Izabel Hilário
Administrador e publicitário: Jorge Hilário
Maria do Carmo Batista (in memorian)

REDES SOCIAIS

Tribuna Livre — Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Dash_