Programa Família Acolhedora de Ouro Preto registra o seu primeiro acolhimento

Publicado em 19/02/2020 às 10:45 por Redação
Por Dalília Caetano
Equipe do Programa Família Acolhedora. Imagem: Dalília Caetano.

Implantado no município desde o mês de outubro do ano passado, o Serviço de Acolhimento em família Acolhedora já obtém bons resultados. Na tarde de segunda-feira (17), uma criança de dois meses foi acolhida por uma família habilitada pelo Serviço. Outras duas famílias já estão capacitadas pela Secretaria de Desenvolvimento Social do município e aptas a receber em suas casas crianças e adolescentes de até 18 anos de idade.

As famílias acolhedoras recebem as crianças e adolescentes por um prazo legal de no máximo 18 meses. As famílias biológicas, neste período, são apoiadas para se reestruturarem e terem de volta as crianças e jovens. “Durante o período em que a criança permanecer com a família acolhedora, serão realizados todos os esforços visando o retorno ao convívio com a família de origem, extensa ou com pessoas significativas e, na impossibilidade, o encaminhamento para adoção”, explica a psicóloga Daniele Vale.

Para a primeira mãe acolhedora M.D.S*, de 46 anos, “O Família Acolhedora é um serviço muito bonito, que possibilita a criança, vítima de algum contexto de vulnerabilidade, ter um lar e um convívio familiar. Poder ter contato com a criança e vivenciar essa verdadeira história de amor é muito gratificante. Acredito que seja de grande importância propagar o Família Acolhedora para que mais pessoas saibam do serviço e que tenham novas famílias ouro-pretanas capacitadas e aptas a viver este amor”, declarou.

Qualquer casal ou pessoa solteira pode solicitar sua participação no Serviço Família Acolhedora, basta atender a alguns critérios, tais como:

. Ter idade de 21(vinte e um) a 65 (sessenta e cinco) anos;

. Ser residente em Ouro Preto há pelo menos 02 anos;

. Ter boa saúde física e mental;

. Não ter dependentes químicos na família;

. Não possuir antecedentes criminais;

. Ter concordância de todos os membros da família;

. Não estar inscrito no Cadastro Nacional de Adoção ou ter intenção de adotar.

De acordo com a Assistente Social e Coordenadora do Serviço de Acolhimento, Sabrina Oliveira, “este primeiro acolhimento é um marco na história de Ouro Preto, pois antes as crianças iam direto para os abrigos, e hoje a gente consegue fazer este acolhimento familiar, garantindo à criança o direito da convivência familiar e comunitária. Nossa expectativa é de que daqui em diante todas as crianças que tiverem seus direitos violados, sendo necessária a retirada do convívio familiar, sejam acolhidas por este Serviço”, pontuou.

*Os nomes dos envolvidos não serão divulgados em respeito à política do serviço de Acolhimento.

Fonte: Prefeitura Municipal de Ouro Preto
PUBLICIDADE

Com iniciativa inédita em Minas Gerais, Prefeitura de Ouro Preto monta Centro...

Dupla bate carro que furtou e é presa


PUBLICIDADE
COTAÇÃO HOJE

Projeto propõe critérios iguais para doadores de sangue

Atores da série Grey’s Anatomy aderem à campanha #EleNão

O TRIBUNA LIVRE

Direção e Proprietária: Marisa Hilário
Editoração gráfica: Tribuna Livre
Direção de mídia: Ina Caram.

Colaboradores do jornal impresso e do site:
Organização interna: Izabel Hilário
Administrador e publicitário: Jorge Hilário
Maria do Carmo Batista (in memorian)

REDES SOCIAIS

Tribuna Livre — Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Dash_