Documentação é arma contra serviço de viagem mal prestado

Publicado em 25/02/2020 às 19:42 por Redação
Procon Assembleia alerta sobre a importância de se exigir contratos e recibos dos fornecedores.

O Carnaval é um período de alegria e relaxamento para milhares de famílias que buscam aproveitar os dias de folga em hotéis e pousadas, distantes do agito urbano. Porém, é preciso ficar atento para que o passeio não se transforme em estresse e prejuízo por conta de serviços mal ou mesmo não prestados. Depois de feriados prolongados, é comum o comparecimento de consumidores ao Procon da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) para registrar reclamações contra companhias aéreas, agências de viagem e hotéis.

Por isso, antes e durante o período da viagem os clientes devem tomar cuidados básicos para exigirem o ressarcimento por eventuais danos, caso aconteça de o combinado – e pago – não ser cumprido pelos fornecedores. De acordo com o coordenador do Procon Assembleia, Marcelo Barbosa, a principal providência é documentar-se da forma mais completa possível. “O consumidor deve guardar anúncios publicitários e todas as suas conversas com o fornecedor, seja por meio de aplicativos de celular, e-mail ou gravação do telefonema, conferir se os contratos incluem todos os serviços prometidos e exigir comprovantes de qualquer pagamento realizado”.

Em uma viagem aérea, por exemplo, podem ocorrer atrasos que inviabilizem a continuidade dela, bem como extravios de bagagem e overbooking, que é quando a companhia vende mais assentos do que comporta o avião. Em todos esses casos, o consumidor que for prejudicado tem que ter tudo registrado para poder ser mais rapidamente ressarcido.

No caso de hotéis e pousadas, são frequentes as reclamações sobre a má qualidade dos quartos e dos serviços oferecidos. Aos clientes, na hora da compra, são apresentadas informações que nem sempre correspondem à realidade. Daí a importância de se guardar folhetos com fotografias e dados sobre os serviços prestados pelo estabelecimento.

Sobre as agências de viagem, entre outros cuidados é preciso exigir cópias dos contratos e dos comprovantes de reservas, bem como verificar se a empresa é legalmente registrada e se é alvo de reclamações nos órgãos de defesa do consumidor.

Se estiver montando sua viagem utilizando sites de busca e comparação de pacotes, passagens e hotéis, leia atentamente as ofertas. É aconselhável também imprimir ou salvar as imagens com as informações prestadas e tomar os devidos cuidados com a segurança na hora de fornecer o cartão de crédito (utilizar um antivírus atualizado, conferir os itens de segurança do site etc.).

Outra informação importante que o consumidor precisa ter antes de fechar qualquer contrato (hospedagem e passagens) se refere à cobrança de multas para o caso de cancelamento da viagem. É preciso que quaisquer valores a serem retidos pelas empresas caso o cliente não possa viajar constem do contrato e não sejam abusivas. Isso evita surpresas desagradáveis e protege o consumidor.
PUBLICIDADE

Decreto que suspende funcionamento de bares, lanchonetes e restaurantes entra...

Presença de pombos em prédio escolar de Lafaiete é questionada


PUBLICIDADE
COTAÇÃO HOJE

Bastidores: Canuto é a quinta 'demissão surpresa' de Bolsonaro

Mulheres vítimas do feminicidio, vítimas de si mesmas...

O TRIBUNA LIVRE

Direção e Proprietária: Marisa Hilário
Editoração gráfica: Tribuna Livre
Direção de mídia: Ina Caram.

Colaboradores do jornal impresso e do site:
Organização interna: Izabel Hilário
Administrador e publicitário: Jorge Hilário
Maria do Carmo Batista (in memorian)

REDES SOCIAIS

Tribuna Livre — Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Dash_