Sensor desenvolvido pela Ufop amplia capacidade de uso de ventiladores mecânicos

Publicado em 02/07/2020 às 22:51 por Redação

Um sensor para monitorar a concentração de gás carbônico (CO2) em ventiladores mecânicos pulmonares, desenvolvido por pesquisadores da Ufop, pode ampliar o uso do equipamento, de forma simultânea, por mais de um paciente infectado com o novo coronavírus.



O dispositivo de baixo custo vai monitorar a concentração de gás carbônico em pacientes com Covid-19 e otimizar o tratamento

Um sensor para monitorar a concentração de gás carbônico (CO2) em ventiladores mecânicos pulmonares, desenvolvido por pesquisadores do departamento de Engenharia de Controle e Automação na Escola de Minas da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), pode ampliar o uso do equipamento, de forma simultânea, por mais de um paciente infectado com o novo coronavírus.

O projeto, criado sob supervisão do pesquisador e professor, engenheiro Alan Kardek, em parceria com o mestrando em Saúde da Família e médico da Ufop, Tuian Santiago Cerqueira, e demais profissionais da área da saúde, tem como objetivo aprimorar as técnicas para uma possível utilização múltipla de ventiladores mecânicos. “Como forma de contribuir para o desenvolvimento de um sistema para que um ventilador pulmonar possa ser usado em mais de um paciente, é imprescindível viabilizar o monitoramento da concentração de CO2 expirado pelo paciente, para que a ventilação possa ser melhor controlada”, explica Alan.

Os ventiladores pulmonares têm como função retirar o dióxido de carbono (CO2) e oferecer oxigênio (O2) de forma cíclica, já que os pacientes infectados com o novo coronavírus têm capacidade reduzida em fazer essa troca natural de oxigenação do sangue. “Por isso, o paciente se sente ofegante e com dificuldades intensas na hora de respirar, sendo necessário o uso de um respirador. O sensor vai ser desenvolvido para monitorar este volume de gás carbônico para que a ventilação e o tratamento do paciente sejam melhor controlados e compartilhados”.

No Brasil, esses sensores não são comuns por conta do alto custo. Segundo Alan, importar o dispositivo custaria aproximadamente R$ 2.000,00, sem levar em conta o valor do transporte e dos impostos. A expectativa inicial é que sejam produzidos dez sensores a um custo médio de R$ 100,00. Eles seriam distribuídos para hospitais da região, contribuindo para combater a Covid-19.

O coordenador do curso de Engenharia de Minas da Ufop, que também é membro do Colégio Estadual de Instituições de Ensino (CIE) do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais (Crea-MG), José Margarida da Silva, considera fundamental a atuação das instituições de ensino em ações voltadas para a sociedade. “Em tempo de pandemia, algumas ações foram adaptadas e outras criadas. Esse projeto é um deles e mostra o trabalho sério da instituição. É gratificante fazer parte desse esforço da universidade”, disse José Margarida.

PUBLICIDADE

Prefeitura de Ouro Preto realiza obra aguardada há décadas por moradores

Governo de Minas anuncia desenvolvimento de soro contra covid-19


PUBLICIDADE
COTAÇÃO HOJE

Bolsonaro e Doria têm embate em reunião com governadores

Pediatra ensina como fazer máscara de proteção com materiais simples

O TRIBUNA LIVRE

Direção e Proprietária: Marisa Hilário
Editoração gráfica: Tribuna Livre
Direção de mídia: Ina Caram.

Colaboradores do jornal impresso e do site:
Organização interna: Izabel Hilário
Administrador e publicitário: Jorge Hilário
Maria do Carmo Batista (in memorian)

REDES SOCIAIS

Tribuna Livre — Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Dash_