Sensor desenvolvido pela Ufop amplia capacidade de uso de ventiladores mecânicos

Publicado em 02/07/2020 às 22:51 por Redação

Um sensor para monitorar a concentração de gás carbônico (CO2) em ventiladores mecânicos pulmonares, desenvolvido por pesquisadores da Ufop, pode ampliar o uso do equipamento, de forma simultânea, por mais de um paciente infectado com o novo coronavírus.



O dispositivo de baixo custo vai monitorar a concentração de gás carbônico em pacientes com Covid-19 e otimizar o tratamento

Um sensor para monitorar a concentração de gás carbônico (CO2) em ventiladores mecânicos pulmonares, desenvolvido por pesquisadores do departamento de Engenharia de Controle e Automação na Escola de Minas da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), pode ampliar o uso do equipamento, de forma simultânea, por mais de um paciente infectado com o novo coronavírus.

O projeto, criado sob supervisão do pesquisador e professor, engenheiro Alan Kardek, em parceria com o mestrando em Saúde da Família e médico da Ufop, Tuian Santiago Cerqueira, e demais profissionais da área da saúde, tem como objetivo aprimorar as técnicas para uma possível utilização múltipla de ventiladores mecânicos. “Como forma de contribuir para o desenvolvimento de um sistema para que um ventilador pulmonar possa ser usado em mais de um paciente, é imprescindível viabilizar o monitoramento da concentração de CO2 expirado pelo paciente, para que a ventilação possa ser melhor controlada”, explica Alan.

Os ventiladores pulmonares têm como função retirar o dióxido de carbono (CO2) e oferecer oxigênio (O2) de forma cíclica, já que os pacientes infectados com o novo coronavírus têm capacidade reduzida em fazer essa troca natural de oxigenação do sangue. “Por isso, o paciente se sente ofegante e com dificuldades intensas na hora de respirar, sendo necessário o uso de um respirador. O sensor vai ser desenvolvido para monitorar este volume de gás carbônico para que a ventilação e o tratamento do paciente sejam melhor controlados e compartilhados”.

No Brasil, esses sensores não são comuns por conta do alto custo. Segundo Alan, importar o dispositivo custaria aproximadamente R$ 2.000,00, sem levar em conta o valor do transporte e dos impostos. A expectativa inicial é que sejam produzidos dez sensores a um custo médio de R$ 100,00. Eles seriam distribuídos para hospitais da região, contribuindo para combater a Covid-19.

O coordenador do curso de Engenharia de Minas da Ufop, que também é membro do Colégio Estadual de Instituições de Ensino (CIE) do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais (Crea-MG), José Margarida da Silva, considera fundamental a atuação das instituições de ensino em ações voltadas para a sociedade. “Em tempo de pandemia, algumas ações foram adaptadas e outras criadas. Esse projeto é um deles e mostra o trabalho sério da instituição. É gratificante fazer parte desse esforço da universidade”, disse José Margarida.

PUBLICIDADE

Prefeitura de Ouro Preto realiza obra aguardada há décadas por moradores

Cemig investe R$ 1 milhão em subestação de Conselheiro Lafaiete


PUBLICIDADE
COTAÇÃO HOJE

I Encontro Regional de RTDPJ - 20 e 21 de setembro

Mulheres vítimas do feminicidio, vítimas de si mesmas...

O TRIBUNA LIVRE

Direção e Proprietária: Marisa Hilário
Editoração gráfica: Tribuna Livre
Direção de mídia: Ina Caram.

Colaboradores do jornal impresso e do site:
Organização interna: Izabel Hilário
Administrador e publicitário: Jorge Hilário
Maria do Carmo Batista (in memorian)

REDES SOCIAIS

Tribuna Livre — Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Dash_